A automedicação como hábito na sociedade brasileira

Quase metade dos brasileiros se automedica pelo menos uma vez por mês. De acordo com o Conselho Federal de Farmácia, a automedicação é um hábito comum na escolha dos medicamentos usados sem prescrição.

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “A automedicação como hábito na sociedade brasileira”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista. Não se esqueça: seu texto deve ter mais de 7 (sete) linhas e, no máximo, 30 linhas.

TEXTO 1:

O Brasil é recordista em automedicação. A pesquisa O Comportamento da Dor do Paulista, realizada em 2014 pelo Instituto de Pesquisa Hibou, identificou que o brasileiro da Região Sudeste é o que mais se automedica de forma indiscriminada e sem medo das consequências. Apenas 8% dos entrevistados nunca se automedicaram. Segundo o estudo, as dores que mais afetam os cidadãos são as de cabeça (42%), a lombar (41%), a cervical (28%) e nas pernas (26%).
Os medicamentos são o principal agente causador de intoxicação em seres humanos no Brasil desde 1994, segundo o Conselho Federal de Farmácia. De acordo com pesquisa do Ministério da Saúde, a automedicação levou para o hospital mais de 60 mil pessoas de 2010 a 2015.
Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que, em todo o mundo, mais de 50% de todos os medicamentos receitados são dispensáveis ou vendidos de forma inadequada. Cerca de 1/3 da população mundial tem carência no acesso a remédios essenciais e metade dos pacientes tomam medicamentos de forma inadequada.

Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/automedicacao-pode-ter-graves-consequencias (adaptado).

TEXTO 2:

A automedicação é um dos maus (e perigosos) hábitos mais difundidos no mundo. Mais do que uma atitude esporádica, trata-se de uma prática corriqueira - e de alto risco.
Assim como em qualquer setor de mercado, os consumidores de remédios se julgam aptos a decidir qual produto adquirir. No entanto, os danos da ingestão inadequada de medicamentos, inclusive os isentos de prescrição médica, podem ser graves e até fatais. Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), quase 35 mil pessoas sofreram este tipo de intoxicação, em 2007, sendo que 90 morreram.
Ouvir a experiência do vizinho ou somente ler a bula não basta: medicamentos fazem parte da prescrição de um tratamento e precisam ser indicados por profissional habilitado: o médico. Há décadas, o Ministério da Saúde divulga a orientação "Se persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado", após as propagandas dos laboratórios farmacêuticos. Um encaminhamento completamente equivocado, segundo a Associação Paulista de Medicina (APM):
"É uma premissa absurda, invertida, um convite à automedicação que coloca a procura do atendimento como uma simples alternativa à falha daquele produto", protesta o diretor de Comunicação da APM, Renato Françoso Filho. Na tentativa de corrigir este equívoco, o projeto de lei 328/06, que tramita no Senado, propõe a substituição da referida frase por "Antes de consumir qualquer medicamento, consulte um médico".

Disponível em: https://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes/automedicacao-por-que-a-pratica-e-tao-comum-entre-os-jovens.jhtm (adaptado).

TEXTO 3:

Disponível em: https://www.ictq.com.br/pesquisa-do-ictq/871-pesquisa-automedicacao-no-brasil-2018

Não perca nada!

Insira seu e-mail no campo abaixo para receber conteúdos e dicas da redação do ENEM direto na sua caixa de mensagens. Não se preocupe, não fazemos spam!

Ainda dá tempo de se preparar para o ENEM!

Receba correções detalhadas da sua redação, estude com nosso curso exclusivo, acesse temas quentes (apostas para o ENEM 2020) e muito mais