O que o fenômeno social dos "rolezinhos" representa?
ENEM PPL

O que o fenômeno social dos "rolezinhos" representa?

Fazer um pequeno passeio com os amigos é um ato normal. Porém alguns problemas de furtos e preconceito fizeram os rolezinhos serem mal vistos.

O que o fenômeno social dos "rolezinhos" representa?

Escrito por Prof. Raquel Lima

Atualizado em 20 de Abril de 2021

A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma padrão da língua portuguesa sobre o tema "O que o fenômeno social dos “rolezinhos” representa?", apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista. Não se esqueça: seu texto deve ter mais de 7 (sete) linhas e, no máximo, 30 linhas.

TEXTO 1:

O que o fenômeno social dos "rolezinhos" representa?

TEXTO 2:

O funk da ostentação, surgido na Baixada Santista e Região Metropolitana de São Paulo nos últimos anos, evoca o consumo, o luxo, o dinheiro e o prazer que tudo isso dá. Em seus clipes, os MCs aparecem com correntes e anéis de ouro, vestidos com roupas de grife, em carros caros, cercado por mulheres. Diferentemente do núcleo duro do hip hop paulista dos anos 80 e 90, que negava o sistema, e também do movimento de literatura periférica e marginal que, no início dos anos 2000, defendia que, se é para consumir, que se comprem as marcas produzidas pela periferia, para a periferia, o funk da ostentação coloca os jovens, ainda que para a maioria só pelo imaginário, em cenários até então reservados para a juventude branca das classes média e alta. Esta, talvez, seja a sua transgressão. Em seus clipes, os MCs têm vida de rico, com todos os signos dos ricos.

Esta exaltação do luxo e do consumo, interpretada como adesão ao sistema, tornou o funk da ostentação desconfortável para uma parcela dos intelectuais brasileiros e mesmo para parte das lideranças culturais das periferias de São Paulo. Agora, os rolezinhos – e a repressão que se seguiu a eles – deram a esta vertente do funk uma marca de insurgência. Ao ocupar os shoppings, a juventude pobre e negra das periferias não estava apenas se apropriando dos valores simbólicos, como já fazia pelas letras do funk da ostentação, mas também dos espaços físicos, o que marca uma diferença.

BRUM, E. Disponível em: http://arquivo.geledes.org.br. Acesso em: 16 jun. 2014 (fragmento)

✍️

Partiu praticar?

Receba correções detalhadas em até 24 horas e aprenda a escrever redações sobre qualquer tema.

Apostila Gratuita coRedação

Não perca nada!

Insira seu e-mail no campo abaixo para receber conteúdos e dicas da redação do ENEM direto na sua caixa de mensagens. Não se preocupe, não fazemos spam!

Veja Mais

Fundo Gradiente

Escrever redação não precisa ser complicado

Não seja surpreendido pela sua nota e garanta a aprovação no vestibular neste ano sem perrengue

Footer Logo

coRedação

Plataforma que te ensina a dominar as técnicas da redação do ENEM e chegar mais perto do 1000!

Ícone InstagramÍcone FacebookÍcone Pinterest
Últimos conteúdos

GRQTECH SISTEMAS DE INFORMACAO LTDA 33.841.042/0001-04